Breaking News

PGR pede abertura de inquérito para investigar governador de Goiás



Pedido tem como base as delações de ex-executivos da Odebrecht, mas não está relacionado à Lava Jato; defesa diz que pedido causa 'perplexidade' mas que governador não tem preocupação.


O vice-procurador-geral da República, José Bonifácio Andrada, pediu ao Superior Tribunal de Justiça (STJ) a abertura de um inquérito para investigar o governador de Goiás, Marconi Perillo (PSDB).
Em nota, a defesa de Perillo disse que o pedido de abertura de inquérito baseado em uma delação causa "perplexidade". Diz ainda que o governador não tem "nenhuma preocupação" com o que foi dito por delatores (leia a nota na íntegra ao final desta reportagem).
O pedido da PGR se baseia em delações premiadas de ex-executivos da construtora Odebrecht. Ainda não há detalhes sobre as suspeitas apontadas contra o governador pelo Ministério Público Federal.
Atualmente, no STJ, os inquéritos relacionados à Operação Lava Jato estão sob a relatoria do ministro Luis Felipe Salomão, e, como o pedido da PGR não tem relação com as fraudes na Petrobras, foi sorteado para o ministro Benedito Gonçalves.
Caberá ao ministro Benedito Gonçalves, portanto, autorizar ou rejeitar a abertura do inquérito, assim como a coleta de provas pedida pela Procuradoria Geral da República. Não há prazo para o magistrado tomar a decisão.
Leia a nota divulgada pela defesa de Marconi Perillo:
NOTA DA DEFESA DO GOVERNADOR MARCONI PERILLO
A abertura de um inquérito baseado tão somente nas palavras de um delator nos causa perplexidade.
A palavra do delator, como bem disse o Supremo Tribunal Federal (STF), não faz prova alguma. Pelo menos antes da abertura do inquérito, o que já é um gravame para qualquer homem público ou cidadão, seria necessário ouvir a pessoa indicada e abrir uma sindicância anterior.
O governador Marconi Perillo não tem nenhuma preocupação com o que foi dito pelos delatores e espera o conhecimento pleno do que consta na delação poder se manifestar. Conforme já demonstrado pela defesa e pela imprensa, há uma série de incongruências e incoerências nos depoimentos dos ex-executivos da Odebrecht.
A defesa aguarda que o mais breve possível seja dado o acesso à plenitude dessas delações para se pronunciar.
Antônio Carlos de Almeida Castro/Kaka