Breaking News

Empresário diz que matou casal por 'impulso' após vítima enviar imagem dele em uma festa



Ele é casado com uma prima de Camila Silveira, que foi morta a tiros junto com o noivo, Mário de Moura, na casa deles, em Goiânia.


O empresário Ricardo de Oliveira Sousa Lobo, de 27 anos, confessou, nesta quinta-feira (21), que matou a tiros Camila Edna Silveira, de 28, e o noivo dela, Mário Silva de Moura, de 26, em Goiânia. O homem, que é casado com uma prima de Camila, disse que cometeu o crime por “impulso”, depois que a vítima enviou para a mulher dele uma imagem em que ele aparece em uma festa com outras mulheres. O homem afirmou que Camila se "se intrometia" com frequência no relacionamento dele. Isto o deixava irritado. "Quando cheguei em casa, olhei no celular da Gleicy [mulher dele] e chegou bem na hora a mensagem com o ‘print’. A Camila falou que no dia que ela quisesse sair com eles para festa, era só avisar que buscava", disse. "Como tive outros problemas, fui lá para resolver a situação, saber o porquê daquilo. Não fui lá com a intenção de matar ninguém, foi impulso”, afirmou o homem. Ricardo se entregou à Polícia Civil na madrugada desta quinta-feira, em Goiânia. Durante a apresentação dele na Delegacia Estadual de Investigação de Homicídios (DIH), ele afirmou que, após ver a mensagem, foi com a mulher, Gleicy Pita, e o filho, de 1 ano e 9 meses, para a casa das vítimas, que fica próxima à deles. “Chamei a Camila no portão e, assim que o portão abriu, eu estava com o celular da Gleicy na mão e mostrei pra ela. Perguntei o porquê daquilo e, quando ela viu o que aconteceu, assustou, pulou em mim, e foi na hora que, sem querer, atirei nela. O Mário veio correndo e no impulso do nervosismo, achei que ia dar uma facada em mim e atirei naquele impulso", contou. O crime aconteceu após as 23h de domingo (17), na casa onde o casal morava, no Residencial Primavera, em Goiânia. Os dois estavam juntos há 10 anos e, segundo parentes, planejavam se casar. Câmeras de segurança registraram o momento em que o homem chega ao local do crime (assista abaixo). Responsável pelo caso, o delegado Thiago Martimiano chegou à autoria do crime após o relato de testemunhas de que o autor chamou pelo nome das vítimas e ver nas imagens das câmeras de segurança que o veículo era um Volkswagen Polo branco. "Seria alguém conhecido por ter chamado o nome do Mário no portão. Diante disso, a gente buscou quem da família ou próximo tinha um Polo branco. Descobrimos que uma prima tinha e que ela era casada com um rapaz que tinha problema com a Camila e o Mário. Tivemos informação que estavam incomunicáveis, ela não foi ao velório, e fomos ligando os pontos", detalhou o delegado. Ricardo disse que tem o costume de andar armado e não pegou a arma premeditando o crime. Ele afirma que está arrependido. "Mexo com comércio, já fui assaltando várias vezes. Então, quando ia fazer depósito, uma hora ou outra a gente sempre andava com arma. E, por incrível que pareça, estava no carro. Estou muito arrependido. Estraguei a minha vida, a vida da minha família. Vou perder o contato com meu filho por um bom tempo, que é tudo o que eu mais prezo. Trabalho no meu comércio, sou honesto e manchei meu nome num ato de impulso", concluiu. Apesar da alegação do suspeito, o delegado crê que ele agiu de forma premeditada. Ricardo será indiciado por duplo homicídio duplamente qualificado, por impossibilitar a defesa da vítima e por motivo fútil. Martimiano informou que ouvirá formalmente Gleicy nesta tarde. A princípio, ela não será responsabilizada pelo crime. "Me parece que ela não sabia que ele ia cometer o crime, mas a gente vai apurar. Caso haja indício de participação, pode responder como partícipe ou coautora", disse o delegado. Comoção Parentes e amigos se reuniram para velar o casal por volta de 19h30 de segunda-feira (18), na Igreja Católica da Sexta Etapa, no Conjunto Vera Cruz 2, em Goiânia. Colegas de trabalho deles enviaram coroas de flores para homenageá-los. O enterro aconteceu por volta das 13h20 de terça-feira (19), no Cemitério Santana, também na capital. De acordo com a vendedora Mayara Keila da Silveira, prima de Camila, a família achou estranho a prima e o marido não irem ao velório do casal. Ela contou que, depois da prisão do suspeito, a esposa dele confessou à família que o companheiro era o autor do homicídio. Segundo os familiares, Camila é natural de Estreito (MA). Já Mário nasceu em Palmeiras do Tocantins (TO). Conforme amigos das vítimas, Camila era contadora e Mário trabalhava em uma rede de farmácias. O estudante Marcos Vinícius Pereira dos Reis, de 17 anos, contou que era muito próximo deles e fica sem entender o que aconteceu. “Saíamos muito, íamos muito para igreja, eram muito gente boa, não tem o que falar deles. Viviam no trabalho, não tinham inimizade com ninguém. Todo mundo era amigo deles. Fiquei chocado quando soube”, contou.