Breaking News

Servidor Publico de Santa Cruz de GO mata a sogra e o cunhado em GO



Servidor público é preso suspeito de matar a sogra e o cunhado, em Goiás.

Homem nega crimes, mas comparsa detalhou como ocorreram. Segundo a investigação, ele matou a mulher porque ela ameaçava entregá-lo para a polícia por namorar adolescente desde os 13 anos.



Um servidor público Eduardo José dos Santos, de 37 anos, foi preso suspeito de matar a sogra e, quase um ano depois, o cunhado, em Goiás. O homem nega os crimes, mas o comparsa dele, Jhony Vinicius Dias, de 24 anos, que também foi detido, confessou e detalhou como eles ocorreram. Segundo o delegado, o motivo das mortes era manter o relacionamento com a adolescente, que atualmente tem 16 anos. O primeiro homicídio aconteceu em 29 de agosto de 2016, no setor Vale dos Sonhos, em Goiânia. Patrícia Silva do Nascimento, de 35 anos, foi morta a pauladas por dois homens quando se preparava para dormir. Ela estava sozinha em casa. .

"Foi um crime premeditado e bárbaro. Ele bateu na cabeça dela com um cabo de um machado até a morte”, disse o delegado responsável pelo caso, Marco Aurélio Euzébio. Segundo a Polícia Civil, Santos namorava a filha da vítima desde que ela tinha 13 anos. De acordo com a investigação, o servidor foi denunciado por estupro de vulnerável e, sabendo disso, Patrícia o chantageava dizendo que iria entregá-lo para a polícia.

"Segundo Santos, a Patrícia chantageava ele por conta desta relação com a filha dela. Ele afirma que ela pedia dinheiro para encobrir a relação", explicou Euzébio. Após a morte da mãe, a adolescente passou a morar com o namorado em Santa Cruz de Goiás, onde ele trabalha. 

O delegado afirma que a menina não teve participação nem sabia que o companheiro havia matado a sogra. Morte do cunhado Irmão da adolescente e filho de Patrícia, Wagner Nascimento passou a acusar o servidor público de ter matado a mãe dele. No último dia 23 de junho, segundo a investigação, Santos e Dias o mataram com golpes de capacete. "Ele disse que o irmão dela estava o ameaçando de morte, falando que iria vingar a morte da mãe. Por conta disto, encontraram o rapaz e deram golpes de capacete", explicou. Logo após a morte de Wagner, os dois foram presos pelo homicídio em Santa Cruz de Goiás. Depois, os policiais associaram os crimes, e Dias confessou a morte de Patrícia. Os dois homens foram indiciados por homicídio qualificado por impedir a defesa da vítima. O delegado ainda não sabe se a dupla ficará presa em Goiânia ou em Santa Cruz de Goiás.