Breaking News

Ataque em show country em Las Vegas deixa 58 mortos



Segundo a polícia, o atirador fez os disparos da janela de um hotel em frente ao espaço onde ocorria o show do festival 'Route 91 Harvest'

Um ataque na noite deste domingo durante um show ao ar livre em Las Vegas, nos Estados Unidos, deixou 58 mortos e 515 feridos. A tragédia já é considerada o maior ataque a tiros da história do país. A autoridade de polícia da região Clark, Joseph Lombardo, descreveu o suspeito, identificado como Stephen Paddock, de 64 anos, como um morador de Las Vegas, e afirmou que não há nenhum indicativo de que esteja conectado a algum grupo militante.
Segundo a polícia, o atirador fez os disparos da janela do 32º andar do hotel Mandalay Bay, em frente ao espaço onde ocorria o show do festival de música country Route 91 Harvest. Uma companheira de Paddock, identificada como Marilou Danley, considerada inicialmente como suspeita pela polícia, já prestou depoimento às autoridades, segundo o jornal The Guardian e a rede CNN.
As várias ambulâncias enviadas ao local levaram os feridos ao Sunrise Hospital Medical Center e ao Universty Medical Central. Os números de mortos de mortos e feridos, informou Lombardo, são preliminares. Contudo, se confirmados, o ataque entra para a história como o maior da história dos Estados Unidos cometido com armas de fogo. Um policial da força de Las Vegas, que estava de folga no momento do ataque, está entre os mortos.
Vídeo publicado no YouTube mostra os disparos e o desespero dos frequentadores do show:


As autoridades informaram que o atirador cometeu suicídio antes que a Swat, a força de elite da polícia americana, invadisse o local, e que não acredita que haja mais agressores. No quarto, os agentes encontraram ao menos dez armas. Os tiros foram disparados enquanto o cantor de country Jason Aldean fazia seu show no encerramento do festival.
Segundo os testemunhas, foram ouvidas longas rajadas de disparos efetuados com algum tipo de arma semiautomática, que provocaram o pânico entre os presentes e que continuaram depois que a banda do artista parou de tocar.

O presidente americano, Donald Trump, se manifestou pelo Twitter sobre o ataque. “Meus mais sinceros pêsames e condolências às vítimas e familiares do terrível tiroteio em Las Vegas. Deus abençoe a todos!”, escreveu. Líderes de diversos países, como Suécia, Dinamarca, Austrália e Reino Unido, também declararam apoio às vítimas do ataque.

My warmest condolences and sympathies to the victims and families of the terrible Las Vegas shooting. God bless you!

(Com agências internacionais)

Licença para caçar: o que se sabe sobre o atirador de Las Vegas

Stephen Paddock, de 64 anos, tinha autorização para caçar e pescar no Alasca; ele vivia em uma cidade que registra um homicídio por ano.

Stephen Paddock, de 64 anos, responsável pelo maior ataque a tiros da história dos Estados Unidos, possuía uma licença datada de 2010 para caçar e pescar no estado do Alasca, o que lhe dava permissão para comprar armas legalmente. Ele matou 58 pessoas e deixou mais de 518 feridos ao abrir fogo contra a plateia do festival de música country “Route 91 Harvest”, realizado na cidade de Las Vegas, ao sul do estado de Nevada.
Paddock não tinha antecedentes criminais nem infrações de trânsito registradas em seu nome. Ele morava em Mesquite, uma cidade de aproximadamente 20.000 habitantes que também está localizada em Nevada. De acordo com dados da polícia local, Mesquite registra em média apenas um assassinato por ano.
O atirador viajou para Las Vegas com um arsenal. Ele estava hospedado no 32º andar do hotel-cassino Mandalay Bay desde 28 de setembro. Foi de dentro do quarto que Paddock disparou rajadas de tiros contra as pessoas que assistiam ao show do cantor Jason Aldean. As autoridades comunicaram que ele cometeu suicídio antes que a Swat, a força de elite da polícia americana, invadisse o local. No quarto, os agentes encontraram ao menos dez armas.
As motivações de Paddock são desconhecidas. Ele foi descrito como um “lobo solitário”, sem vínculos com organizações terroristas. Registros anteriores mostram que o atirador já havia morado nos estados do Texas, Califórnia e Flórida. A rede ABC News informou que Paddock possuía autorização para pilotar aviões privados e tinha trabalhado como um contador ou auditor.
O irmão do atirador, Eric Paddock, disse que seus familiares estavam perplexos com o ataque. “Não conseguimos entender o que aconteceu. Não sabemos absolutamente de nada. Eu não consigo imaginar [as motivações]”, afirmou Eric, segundo o jornal Orlando Sentinel.
Policiais foram à casa de Paddock em Mesquite para realizar buscas. A polícia também localizou Marilou Danley, que seria a namorada do atirador. Segundo a rede BBC, ela está fora dos Estados Unidos, nas Filipinas, já prestou depoimento e não é mais considerada suspeita para as investigações. A polícia acredita que Paddock estava utilizando a identidade de Marilou para dificultar o trabalho dos investigadores.