Breaking News

Gêmeos espanhóis são presos com avião norte-americano carregado com cocaína, em Goiânia

Aeronave estava em um hangar de um aeródromo às margens da GO-070. Dupla disse à Polícia Federal que não sabia que os 67 kg da droga estavam escondidos no assoalho.



Dois irmãos gêmeos espanhóis foram presos na madrugada desta quarta-feira (20) com um avião com 67 kg de cocaína escondida no assoalho, em Goiânia. A aeronave, de acordo com a Polícia Federal, é dos Estados Unidos. Dupla diz que não sabia que havia droga no bimotor. A Polícia Federal começou a investigar o local após uma denúncia anônima. "Apurando informações no aeródromo, foi identificada uma aeronave com características suspeitas dentro do galpão. A partir de então, a Polícia Federal, fazendo vigilância no local, verificou que chegaram, no período da noite, dois estrangeiros que adentram no hangar suspeito", disse o delegado Bruno Gama. O avião, prefixo N401NA, estava em um hangar em um aeródromo às margens da GO-070. Os presos, que têm 57 anos, falaram para a polícia que o avião tem autorização para voar no Brasil até janeiro. A polícia ainda vai verificar se a aeronave tinha essa permissão. Em nota, a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) informou que a arenave tinha permissão para entrada no Brasil. No entanto, a última autorização de voo foi expedida no dia 26/10, com um plano de voo para Goiânia. No site da Federal Aviation Administration (FAA), entidade que regula a aviação nos Estados Unidos, consta que o avião tem registro válido até setembro de 2019. De acordo com a Polícia Federal, os dois vão responder por tráfico internacional de drogas. O delegado, agora, pretende saber se a cocaína ia para o exterior ou estava chegando de lá. "Vamos identificar por onde eles transitaram, quais as cidades eles passaram e desde quando estão no país", explicou o delegado. O presidente do Aeroclube de Goiânia, Arcenio Neiva Costa, disse que o aeródromo tem mais de 90 hangares, com vários donos diferentes. Os espaços podem ser alugados por qualquer pessoa e não há como fiscalizar quem entra ou sai.