Mãe cobra justiça cinco anos após desaparecimento da filha vista pela última vez com namorado - PALMELO NEWS

Breaking

quarta-feira, 20 de dezembro de 2017

Mãe cobra justiça cinco anos após desaparecimento da filha vista pela última vez com namorado

Adolescente de 14 anos sumiu em dezembro de 2012, em Pires Belo, distrito de Catalão, GO. Mesmo corpo não tendo sido encontrado, namorado dela e amigo respondem pelo crime em liberdade.



O desaparecimento da estudante Priscila Brenda Martins da Silva completou cinco anos no último dia 11 de dezembro, ainda sem desfecho, em Pires Belo, distrito de Catalão, no sudeste de Goiás. O corpo da garota nunca foi encontrado, mas namorado dela e amigo respondem pelo crime em liberade. Mãe da vítima, a comerciante Luciene Pereira da Silva Martins, diz que não consegue esquecer o caso e pede que os responsáveis sejam punidos. “O dia a dia vai passando, quando a gente deita para descansar, a primeira coisa que vem na nossa mente é ela. Deus tem me dado muita força, porque eu tenho outros três filhos além dela. Se não fosse por eles era complicado. Se passaram cinco anos e o que eu peço é justiça. É o que todo mundo pede”, disse em entrevista à TV Anhanguera. Na época com 14 anos, Priscila foi vista pela última vez entrando no carro do namorado no dia 11 de dezembro de 2012. Pouco mais de um ano depois, em fevereiro de 2014, ele e um amigo foram presos pela Polícia Civil indiciados pela morte e ocultação de cadáver da adolescente. O G1 não localizou a defesa dos acusados para comentar o caso. Em outras ocasiões, os próprios presos e os advogados negaram que a dupla tenha cometido o crime. A delegada responsável pelo caso, Alessandra Maria de Castro, explicou que as evidências levantadas pela corporação levaram aos dois. “A Polícia Civil concluiu o caso, indiciando dois autores. Todas as investigações levaram a crer e comprovaram estavam sim envolvidas no desaparecimento e na morta da Priscila Brenda”, afirmou. Os dois foram soltos cerca de uma no depois e respondem ao processo em liberdade. Conforme apurou a TV Anhanguera, em outubro deste ano a Justiça de Catalão determinou que eles fossem a júri popular, no entanto, a defesa dos acusados recorreu da decisão. O processo foi remetido ao Tribunal de Justiça de Goiás (TJ-GO), em Goiânia, e aguarda nova decisão. Caso Após Priscila desaprecer, uma testemunha contou tê-la visto pela última vez entrando no carro do namorado. A Polícia chegou a fazer reconstituição do dia em que ela sumiu para ajudar nas investigações. Pouco tempo depois do desaparecimento, a mãe da adolescente relatava desespero para encontrar a filha e ficava aflita aguardando notícias da estudante. Dois anos depois, ela disse que perdeu as esperanças de encontrar a filha. "Não tenho mais esperança, acabou. É muita tristeza não saber o que houve com ela", disse em entrevista ao G1 em 2014.




Post Bottom Ad

Páginas