Breaking News

Violência no Ceará e as cenas que remetem a países em guerra

O fotógrafo André Liohn traça paralelo entre a disputa de facções no estado nordestino e os países em conflito nos quais atuou


As duas grandes chacinas que deixaram no total 24 mortos, há uma semana, foram o auge de uma guerra de facções criminosas que tem marcado o Ceará. No ano passado, o estado nordestino bateu seu recorde de homicídios – 5 134 mortos, o maior número desde o início da tabulação, em 1997.
O horror promovido pelo crime organizado na periferia da capital remete à brutalidade pela qual ficou conhecido o Estado Islâmico nas guerras do Oriente Médio. As táticas do terror islâmico inspiram o mais sanguinário dos grupos cearenses, os Guardiões do Estado (GDE). Imagens de corpos decapitados e de suas vísceras arrancadas do tronco são divulgadas em vídeos pelo WhatsApp e pelo YouTube, como forma de intimidação. Enquanto isso, nos muros dos bairros para onde a facção avança, impõe-se uma disciplina rígida. “Se rouba nazárea morre” (“Se roubar nas áreas, morre”), avisa a pichação em uma escola no Jardim Barroso, um dos bairros mais atingidos pela disputa do comércio de drogas.
Em vídeo, o fotógrafo André Liohn, com grande experiência em zonas de conflito no Oriente Médio e outras regiões do mundo, traça paralelos entre guerras internacionais e a criminalidade cotidiana no Ceará.
Ele e os jornalistas Pedro Paulo Rezende e Leonardo Coutinho assinam reportagem especial em VEJA desta semana sobre o terror local, narram casos de brutalidade extrema e contam como a tensão afeta a vida de moradores.