Breaking News

Polícia apura superfaturamento em gasto da Prefeitura de Corumbaíba com cafeteira de R$ 12 mil e cadeira de R$ 6,5 mil

Segundo a Polícia Civil, móvel e máquina foram apreendidos na sala do prefeito, Wisner Araújo de Almeida (PSDB). Político e prefeitura foram procurados, mas ainda não se manifestaram.



A Polícia Civil aprendeu para perícia uma cadeira e uma cafeteira na sala do prefeito de Corumbaíba, Wisner Araújo de Almeida (PSDB), por suspeita de superfaturamento na compra. As duas peças foram adquiridas em uma papelaria da cidade. De acordo com a investigação, elas custaram, respectivamente, R$ 6,5 mil e R$ 12 mil.

"Essa denúncia é de um possível direcionamento na licitação e de um possível superfaturamento ou aumento abusivo do preço do objeto adquirido. Informalmente, conseguimos apurar uma variação de R$ 2 mil a R$ 5 mil no valor da cafeteira. Já em relação à cadeira, não encontramos nenhuma cadeira de marca e modelo igual", disse a titular da Delegacia Estadual de Repressão a Crimes contra a Administração Pública (Dercap), Mayana Rezende.

O G1 pediu um posicionamento, às 10h45, por telefone e e-mail, para a Prefeitura de Corumbaíba, mas não obteve retorno sobre a investigação. A reportagem também entrou em contato com o prefeito, mas as ligações não foram atendidas.

O caso começou a ser investigado após a denúncia de uma vereadora da cidade. A compra ocorreu em fevereiro de 2017. Outra situação que chamou a atenção é de que a cafeteira e a cadeira foram adquiridas em uma papelaria da cidade.

"Essa não é a atividade fim da empresa. Não se encontram expostos produtos desse tipo, o que leva a crer que a aquisição ocorreu para atender unicamente ao procedimento licitatório", afirmou Mayana.

A delegada acredita que a cadeira e a cafeteira foram adquiridas com valor acima do de mercado por meio de licitação supostamente direcionada, o que pode configurar fraude e crime de responsabilidade.

Mayana ressaltou que a investigação ainda está em andamento e aguarda laudo pericial de avaliação dos objetos para, assim, comparar com o valor de mercado. O prefeito, o dono da loja que vendeu os itens e a parlamentar que denunciou também devem ser ouvidos na próxima semana. Após a perícia os produtos foram devolvidos.