Breaking News

Governo de Goiás inaugura centro de cuidado integral ao diabético em Goiânia

Com informações do diariodegoias.com.br e do emaisgoias.com.br

Foi inaugurado nesta quarta-feira (27), o Centro Estadual de Atenção ao Diabetes deve começar a funcionar no mês de julho. A unidade é a primeira do tipo no Brasil e será voltada ao paciente que sofre com Diabetes e ainda oferecerá atendimento preventivo e de capacitação. 

Centro
O Centro é uma unidade anexa ao Hospital Geral de Goiânia (HGG). O local escolhido para atender os pacientes é na esquina da Avenida Anhanguera com a Alameda das Rosas no Setor Aeroporto, em Goiânia. A expectativa é que sejam feitos entre 800 e 1 mil atendimentos por mês, sem contar com as ações de prevenção ao Diabetes.

De acordo com o governo, foram investidos pelo Estado a quantia de R$ 1,5 milhões na adaptação do espaço e o governo disponibilizará R$ 400 mil para o custeio mensal da unidade.

A unidade é um projeto idealizado pelo vereador Jorge Kajuru (PRP) e estruturada para funcionar por meio de verbas disponibilizadas pelo próprio parlamentar, governo estadual, parlamentares e outros parceiros que destinaram recursos para a abertura do espaço.

O nome do local leva a mãe do vereador Jorge Kajuru, Maria José Nasser Costa, conhecida como Dona Zezé. A homenagem foi proposta pelo deputado Lincoln Tejota (PROS) e aprovada pela Assembleia Legislativa.

O CEAD terá com atendimento multidisciplinar, ofertando serviço de psicologia, fisioterapia, neurologia, enfermagem, serviço social, médicos e nutricionistas. Esse acompanhamento integral permitirá que complicações decorrentes do diabetes não se agravem, melhorando a qualidade de vida dos pacientes.





Cozinha experimental
Outro diferencial do CEAD será a cozinha experimental, onde os pacientes receberão orientações para o preparo de suas refeições, colaborando com o processo de reeducação alimentar deles e de seus familiares. Nelson Rassi acredita que essa cozinha dará oportunidade prática para a educação alimentar familiar “Os pacientes e suas famílias terão orientação de especialistas de forma teórica e prática, para elaborar suas refeições, o que permitirá uma melhor maneira de aprendizado, com facilidade”, pontua.

Lindalva Sobrinho, 62 anos, e diabética, faz tratamento para o pé no HGG desde 2016 e falou sobre a importância da criação do CEAD. “É tudo que a gente precisava. Faço acompanhamento com nutricionistas desde que comecei meu tratamento, e foram eles que me ajudaram com minha reeducação alimentar. Agora, com essa cozinha experimental, aprenderemos a montar nossas dietas com os profissionais”, comemora.