Breaking News

Venda de pedaços de corpos de girafa cresce nos Estados Unidos

Comércio é permitido por lei e está em expansão

No momento em que a população de girafas está despencando no mundo, a venda de produtos feitos com pele e osso do animal está crescendo nos Estados Unidos. De acordo com um relatório divulgado na quinta-feira, 23 de agosto, pela Humane Society dos Estados Unidos, mais de 40.000 partes de girafas foram importadas para os Estados Unidos de 2006 a 2015 para serem transformadas em almofadas, botas, alças de faca, capas de Bíblias e outras bugigangas cobradas a altos preços.

A venda desses produtos é permitida por lei, mas a organização argumenta que são necessárias restrições. Juntamente com outros grupos de defesa, a Humane Society solicitou ao Serviço de Pesca e Vida Selvagem dos Estados Unidos que fornecesse essa proteção, listando as girafas como uma espécie ameaçada de extinção. Ser listada sob a Lei de Espécies em Perigo de Extinção significa que as importações, exportações e comércio interestadual exigem uma permissão do Serviço de Pesca e Vida Selvagem, que deve determinar se a ação afeta a sobrevivência da espécie.

A organização emitiu o relatório "para aumentar a pressão e mostrar ao público a verdadeira natureza do comércio de girafas nos EUA, e mostrar ao governo que o público ama girafas e realmente quer que seus governantes tomem medidas para proteger este animal" disse Adam Peyman, gerente de programas e operações da vida selvagem para a Humane Society International.

Em 2016, um estudo da União Internacional para Conservação da Natureza e Recursos Naturais determinou que a população mundial de girafas havia despencado de 150 mil para 100 mil animais desde 1985. As girafas enfrentam duas ameaças principais, segundo o relatório: perda de habitat e caça, por sua carne. A caça para produção de troféus e souvenirs parece ser a principal fonte dos restos de animais que chegam aos Estados Unidos, mas não está levando as girafas à extinção, disse Peyman. Mas qualquer mercado que envolva produtos de girafas coloca mais pressão sobre a espécie.

- Não podemos nos permitir nenhuma pressão adicional em meio ao que os especialistas apelidaram de extinção silenciosa - afirma Peyman - Esses são produtos em que a maioria das pessoas não estaria interessada, mas acho importante conscientizar o público sobre o fato de que essas coisas são vendidas em todo o país.

Os caçadores de troféus geralmente pegam a cabeça e parte do pescoço da girafa para seu próprio uso, deixando o resto do animal para ser vendido pelo fornecedor que organizou a caça.O Safari Club International, que promove os direitos dos caçadores e a conservação da vida selvagem, afirmou em nota que “apesar da retórica na mídia, a caça regulada por lei é um dos meios mais eficazes de conservação”. A declaração também fez referência ao estudo de IUCN para argumentar que as populações de girafas são mais saudáveis em nações como Angola, onde há caça legal; e caíram vertiginosamente no Quênia, onde a caça é ilegal.

Há poucos dados sólidos sobre o número de vendas de partes de girafas nos Estados Unidos, mas a Humane Society obteve dados do departamento de pescados e animais selvagens dos EUA, mostrando que cerca de 40.000 produtos de girafa foram legalmente importados para os Estados Unidos de 2006 a 2015.

O mercado de produtos de girafa, disse Peyman, pode ter sido inadvertidamente aquecido pela proibição de importar alguns produtos de elefantes, o que foi confirmado pelo governo Trump no ano passado. O público americano geralmente se opõe à caça de grande porte, de acordo com uma pesquisa feita em 2016, que encontrou 86% de desaprovação.

Um investigador da Humane Society dos Estados Unidos foi disfarçado a 21 locais para acompanhar as vendas de girafas e conversar com os vendedores. Ele encontrou um corpo taxidermizado de uma girafa juvenil vendido por US $ 7.500 e um travesseiro feito com uma cabeça de animal, intacta até os cílios.

Nas capas da bíblia vendidas por US $ 400 e botas igualmente caras, os fios do pelo foram retirados da pele - então não é evidente que a fonte seja uma girafa.

Um vídeo produzido pelo investigador usando uma câmera escondida mostrou um vendedor explicando que as girafas tinham que ser mortas porque eram agressivas e colocavam em risco a vida e a subsistência dos aldeões africanos. Mas Peyman disse que não há provas de que as girafas representem qualquer ameaça para pessoas ou plantações. Os animais evoluíram para comer folhas de árvores, altas, e não são agressivos.


MINERAR BITCOIN COM CRIPTOTAB BROWSER