Breaking News

Delação de Palocci enterra Lula e o PT

Entre centenas de falcatruas estão: 

Lula e Dilma possuem bilhões de dólares e euros em bancos internacionais em nome de laranjas de várias nacionalidades entre elas Chineses, Palestinos e Cubanos.

As urnas foram um projeto para implantação do Socialismo na América Latina , mas frustrou com reação da DIREITA sobre a lisura da máquina. Segundo PALOCCI a lista dos eleitos já saia em todo pleito de uma reunião entre todos partidos.

Os funcionários comissionados federais, estaduais e municipais eram contratados para agirem promovendo e esforçando atos da implantação socialista.

Os recursos emprestados a outros países eram na verdade destinados as contas internacionais de Lula e Dilma. Segundo Palocci FHC e Sarney eram também beneficiados conjuntamente. 

Acordo firmados com Indústrias automotivas disponibilizavam recursos e carros para campanha que na verdade só servia para mascarar a organização eleitoral. 

O cancelamento de aposentadorias por doença no INSS e a propaganda da falência do Instituto era para disfarçar os recursos desviados para manter a organização. Com o congelamento das aposentadorias desviados cerca de 8 bilhões para nosso fundo. 

A exportação do petróleo a preço de custo a países comunistas eram para subsidiar o projeto do Foro de SP. 

No plano existiam 5 níveis de graduação 

1o. Os Pai e Mãe apelidos utilizados 

2o. Os filhos e filhas 

3o. Os primos e primas 

4o. Companheiros e companheiros 

5o. Olheiros e Obreiros. 

A divisão dos recursos eram pelos níveis de graduação. 

Empresários, Agronegócio, ONG, Religiosos; mídia etc que não faziam parte da organização era automaticamente destruídos. 

Qualquer opositor era desconstruído por propaganda financiada pela organização, e seus empreendimentos perseguidos por órgão de Fiscalização.

A JBS é apenas uma das dezenas das empresas utilizadas para lavar o dinheiro do BNDS incluía também vários bicheiros e doleiros em todo país.  

Eram tantos recursos que chegamos ao ponto de um projeto de comprarmos um banco para servir de fachada, milhares de envolvidos que recebiam dinheiro já chamando atenção nas transações.

O maior erro foi acreditarmos que tínhamos subjugado o judiciário e achar que eram como os outros corrompíveis. Foi exatamente na firmeza dos jovens juízes e procuradores que fomos desarticulados.

Abaixo o trecho da Bomba de Palocci

1. '90% das medidas provisórias editadas nos governos Lula e Dilma tinham propina'

Em seu termo de delação, Palocci enumera algumas das formas que seriam usadas pelos partidos e políticos para receber propina. Entre elas, estaria a adição de emendas a medidas provisórias, feitas sob encomenda para atender a interesses de empresas e setores econômicos - que depois pagam os políticos. Segundo Palocci, 90% das emendas parlamentares editadas nos anos Lula e Dilma envolveram propina: ou foram editadas pelo governo com este objetivo, ou receberam emendas fraudulentas no Congresso.

O delator "estima que das mil medidas provisórias editadas nos quatro governos do PT, em pelo menos novecentas houve tradução de emendas exóticas em propina", diz o texto.

Palocci, porém, errou o número: durante os anos do PT no poder, foram editadas 624 medidas provisórias, segundo relatório da Secretaria-Geral da Mesa da Câmara, gerado a pedido da BBC News Brasil.

2. 'A maior parte das doações oficiais de empresas, registradas no TSE, eram na verdade propina'

Discorrendo sobre as doações de empreiteiras, Palocci diz que uma parte das grandes obras contratadas pela Petrobras fora do período eleitoral eram depois pagas com propinas na hora da eleição. "Grandes obras contratadas fora do período eleitoral faziam com que os empresários, no período das eleições, combinassem com os diretores (da Petrobras) que o compromisso político da obra firmada anteriormente seria quitado com doações oficiais acertadas com os tesoureiros dos partidos, coligações, etc", disse.

Segundo Palocci, o dinheiro dado "por dentro", isto é, de forma oficial, pode também ser ilícito, "bastando que sua origem seja ilícita".

"A doação oficial pode ser lícita e ilícita, bastante verificar sua origem, sendo criminosa quando originadas em acertos de corrupção", disse. "a maior parte das doações registradas no TSE é acometida de origem ilícita", diz um trecho do depoimento.

3. 'Temer, Eduardo Cunha e Henrique Eduardo Alves superfaturaram um contrato de US$ 800 milhões na Petrobras'

No começo do governo Lula, em 2003, o PMDB não tinha qualquer cargo na Petrobras. Isto mudou a partir de 2008, quando o ex-deputado Fernando Diniz (MDB) e outros emedebistas do Congresso conseguiram emplacar Jorge Zelada como diretor da área Internacional da Petrobras, segundo Palocci.

Como exemplo, Palocci diz que Zelada "tratou de promover a celebração de um contrato" na área internacional com a Odebrecht "com larga margem para propina, a qual alcançava cerca de 5% do valor total de 800 milhões de dólares, ou seja, 40 milhões". "O contrato, tamanha a ilicitude revestida nele, teve logo seu valor revisado e reduzido de 800 para 300 milhões", diz um trecho do depoimento - Palocci afirma ainda que o tema foi tratado por delatores da Odebrecht.

4. 'Em reunião de 2010, Lula, Dilma e Sérgio Gabrielli acertaram propina por meio da construção de sondas'

Na delação, Palocci narra uma reunião "no início de 2010", da qual ele teria participado com Lula, Dilma Rousseff e o ex-presidente da Petrobras e hoje coordenador de campanha de Haddad, José Sérgio Gabrielli.

Na reunião, diz Palocci, Lula "foi expresso ao solicitar do então presidente da Petrobras (Gabrielli) que encomendasse a construção de 40 sondas para garantir o futuro político do país e do PT, com a eleição de Dilma, produzindo-se os navios para exploração do pré-sal e recursos para a campanha que se aproximava".

No encontro, Lula "afirmou que caberia ao colaborador (Palocci) gerenciar os recursos ilícitos que seriam gerados e o seu devido emprego na campanha de Dilma". Aquele foi o primeiro encontro realizado por Lula no qual tratou-se da "arrecadação de valores a partir de grandes contratos da Petrobras", segundo o delator.

Em sua delação, Palocci disse ainda que o PT gastou, na verdade, R$ 1,4 bilhão nas campanhas de Dilma Rousseff à Presidência em 2010 e 2014. O valor é mais que o dobro do declarado oficialmente pelo partido ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE), e tanto o PT quanto Dilma negam ter feito estes gastos.

5. '3% do valor dos contratos de publicidade da Petrobras iam para o caixa do PT'

Sobre os esquemas de corrupção na Petrobras, Palocci afirma que 3% do total das verbas de publicidade da estatal petroleira eram desviados para o caixa do PT. O esquema seria operado por Wilson Santarosa, que à época chefiava a Gerência Executiva de Comunicação Institucional da estatal.

Santarosa era "conhecido líder sindical dos petroleiros e do PT de Campinas (SP), era pessoa ligada a Lula, a Luiz Marinho (hoje candidato do PT ao governo de São Paulo) e Jacob Bittar. Em sua gerência, foram praticadas ilicitudes em conjunto com as empresas de marketing e propaganda". As empresas "destinavam cerca de 3% dos valores dos contratos de publicidade ao PT através dos tesoureiros".

6. 'Lula fingiu surpresa ao descobrir irregularidades na Petrobras'

Palocci descreve um encontro reservado com Lula em fevereiro de 2007, logo depois da reeleição do petista para o segundo mandato presidencial. A reunião ocorreu "em ambiente reservado, no primeiro andar" do palácio da Alvorada.

Lula estava "bastante irritado", e disse a Palocci ter ficado sabendo que os ex-diretores da Petrobras Renato Duque (ligado ao PT) e Paulo Roberto Costa (indicado pelo PP) estavam cometendo crimes em suas diretorias. Lula, então, questionou Palocci sobre a veracidade dos relatos, e o delator teria confirmado a ele que sim, havia irregularidades. Lula, então, perguntou quem tinha nomeado os dois, e Palocci respondeu que foram nomeados pelo próprio Lula.

O delator diz acreditar que Lula "agiu daquela forma porque as práticas ilícitas dos diretores da estatal tinham chegado aos seus ouvidos e ele queria saber qual era a dimensão dos crimes, bem como sua extensão, e também se o colaborador (Palocci) aceitaria sua versão de que não sabia das práticas ilícitas que eram cometidas em ambas as diretorias, uma espécie de teste de versão, de defesa".

"Essa prática empregada por Lula era muito comum", diz o depoimento. "Era comum Lula, em ambientes restritos, reclamar e até esbravejar sobre assuntos ilícitos que chegavam a ele e que tinham ocorrido por sua decisão. A intenção de Lula era clara no sentido de testar os interlocutores sobre seu grau de conhecimento e o impacto de sua negativa", diz o texto.