Breaking News

Atiradores matam 8 pessoas em escola estadual de Suzano

Dois adolescentes entraram na escola e abriram fogo; as mortes confirmados são de cinco estudantes, uma funcionária e duas vítimas não identificadas.


Dois atiradores abriram fogo dentro da Escola Estadual Raul Brasil, em Suzano, na manhã desta quarta-feira, 13, e mataram cinco alunos, uma funcionária e duas vítimas não identificadas. O crime aconteceu durante o intervalo entre aulas na escola. Segundo informações da Polícia Militar (PM), dois adolescentes encapuzados armados teriam entrado na escola pela manhã, durante as aulas, e efetuado os disparos. Os indivíduos cometeram suicídio depois do ataque. Até o momento, 23 pessoas foram socorridas. A polícia encontrou, dentro da escola, um arco e flecha e garrafas de coquetel molotov – arma química incendiária. No Twitter, o governador João Doria lamentou as mortes e afirmou que está indo para o local do crime. “Acabo de receber a triste notícia de que crianças foram cruelmente assassinadas na escola estadual Professor Raul Brail, em Suzano”, escreveu. “Cancelei minha agenda e estamos a caminho de Suzano para acompanhar o resgate e atendimento aos feridos.”

Polícia divulga nome dos assassinos de Suzano Guilherme Taucci Monteiro, de 17 anos, e Luiz Henrique de Castro, de 25 anos, invadiram escola na Grande São Paulo e mataram 8.


A polícia divulgou os nomes dos assassinos que mataram 8 pessoas, sendo 4 adolescentes, na Escola Estadual Raul Brasil, em Suzano, na Região Metropolitana de São Paulo. São eles: Guilherme Taucci Monteiro, de 17 anos, e Luiz Henrique de Castro, de 25 anos. Os dois cometeram suicídio em seguida. Castro completaria 26 anos no próximo sábado. O ataque ocorreu por volta das 9h30 desta quarta-feira (13). Quatro dos mortos no local são alunos do ensino médio. Outros dois adolescentes foram socorridos, mas morreram no hospital. Duas das vítimas são funcionárias da escola. Resumo Ataque a escola em Suzano, na Região Metropolitana de São Paulo, deixou oito pessoas mortas; os dois assassinos se mataram As vítimas ainda não foram identificadas Os autores do crime são Guilherme Taucci Monteiro, de 17 anos, e Henrique de Castro, de 25 anos 23 pessoas foram levadas a hospitais. Entre elas, há feridos e outras que passaram mal após o ataque Ainda não se sabe o motivo do ataque e o vínculo dos autores com a escola Uma testemunha disse que viu um deles com arma de fogo e outro, com uma faca A PM encontrou no local um revólver 38, uma besta (um artefato com arco e flecha), objetos que parecem ser coquetéis molotov e uma mala com fios Antes de os autores do ataque entrarem na escola, um dos assassinos, Guilherme, baleou o próprio tio dentro de uma loja Os assassinos chegaram à escola alvo do ataque em um carro alugado Ataques Os autores do crime chegaram à escola em um carro branco, que foi alugado por um dos assassinos. Eles entraram pela porta da escola, que estava aberta (veja no vídeo abaixo). "Eles ingressaram na escola, atiraram na coordenadora pedagógica, atiraram numa outra funcionária. Estava na hora do lanche, eles se dirigiram ao pátio, atiraram em mais quatro alunos do ensino médio. Nesse horário, só havia alunos do ensino médio, e [os autores do ataque] dirigiram-se ao centro de línguas. Os alunos do centro de línguas se fecharam na sala com a professora e eles [criminosos] se suicidaram no corredor", disse o coronel Marcelo Salles, comandante-geral da PM. O coronel Salles afirmou que, antes de entrar na escola, os criminosos balearam um homem em um lava-rápido próximo à escola. Mais tarde, a polícia confirmou que o homem, Jorge Antonio de Moraes, foi baleado pelo sobrinho, Guilherme Taucci, em seu escritório, dentro da loja de automóveis Jorginho Veículos. Jorge foi levado ferido ao Hospital das Clínicas, onde era submetido a uma cirurgia. A motivação do crime ainda é incerta. Segundo testemunhas, o tio teve uma discussão com o sobrinho um dia antes. Arsenal Dentro da escola, a polícia encontrou um revólver 38, quatro jet luders, que são plástico para recarregamento de arma, uma besta (um tipo de arco e flecha que dispara na horizontal), um arco e flecha tradicional e garrafas que aparentam ser coquetéis molotov. Guilherme, um dos autores do ataque, tinha uma espécie de machado na cintura. Há ainda uma mala com fios. O esquadrão antibombas foi chamado, mas a polícia ainda não informou se havia material explosivo no local.